O pulo do gato

papo-calcinha1

Um bom truque de maquiagem é o que toda mulher pode chamar de pulo do gato, ou seja, você estará a salvo em um piscar de olhos – sem perder a pose! Dá para fazer um curso bacana ou até mesmo testar o make up em casa para aprender os truques e descobrir o que fica bem em você. Aliás, isso é o mais importante: descobrir as cores que tem a sua cara e o que combina realmente com o seu rosto, afinal de contas nem tudo que está na moda tem haver com a gente (ainda bem, não é? Senão todas nós seriamos cópias).

A dica da vez

Está sem grana para fazer aquele curso e ainda não sabe como conseguir aquele efeito na sobra? Tudo bem, a Internet está aí para isso e outras cositas mais! O must da vez é o You Tube, que tem canais especialmente voltados para maquiagem. Lá é possível encontrar tutoriais que vão desde as produções mais básicas até aquelas mega-ultra-power-luxuosas (que você pode usar para: ir aos casamentos mais chiques, paquerar a noite toda ou para matar todo mundo de inveja).

Para conferir um dos canais mais repletos de tutoriais é só clicar aqui.

Depois de aprender efeitos arrasadores no You Tube não esqueça de dar um pulo nos links abaixo:

2beauty| Dia de Beauté| Beleza Bacana | Vende na farmácia

Todos eles têm dicas e muitas novidades, vale o clique.

Antes, durante, depois e tudo de novo!

Sábado à noite, dia de sair por aí e paquerar muiiiito, certo? Certíssimo! Então você caprichou na produção, fez bonito e vez ou outra retocou a maquiagem. Até aí tudo bem, mas se você paquerou a vontade a noite inteira é sinal que acabou perdendo suas sagradas horinhas de sono, correto? Ih, então é melhor se preparar, porque as olheiras certamente vão te visitar. Mas, nada de pânico! Para não ficar com cara de quem não dormiu, use os truquinhos básicos: faça compressa com água ou chá de camomila beeem gelado e depois, lance mão de base e corretivo para acabar com qualquer vestígio. voalá!

Aí, se por acaso aquele gato que você conheceu na noite passa te ligar para marcar um jantar, e se por azar do destino você não estiver em casa para se arrumar ao máximo, não se desespere! Leve com você, seja para onde for, o seu nécessaire e tenha sempre a mãos os coringas da produção. Quer saber quais são?

Básico dos básicos

Corretivo, base, pó, blush, máscara preta e gloss (muito gloss).

Produção de luxo

Todos os coringas básicos + máscara incolor, máscara preta com efeito volume, delineador, sombras em vários tons, batons, gloss coloridos e esmaltes.

Que marcas devo usar?

Ih, existem muitas! Você é quem deve saber que marcas e produtos a favorecem mais. As minhas marcas preferidas são: Lancôme, MAC, Avon e Natura. Entre as quatro, Natura e Avon sempre obtiveram destaque no meu nécessaire. A primeira por ter produtos que cuidam da beleza e da natureza ao mesmo tempo e a segunda por ter qualidade e diversidade, além é claro dos ótimos preços.

Ok, depois destas dicas não há como não caprichar no make, não é?!

Ingrid Nirve

Um bar para chamar de meu.

coisas-de-macho2

Todo homem adora adotar um bar, chegar gritando, cumprimentado os garçons, falando alto, juntando mesas, tudo que faça dele dono a situação, quase sócio do lugar…. é como se ali estivesse uma extensão da sua casa, um pouco sala de estar, um pouco salão de jogos.

Aqui temos vários lugares assim. O Filé Miau Candelária, o Filé Miau Jaguarari (o qual frequento ultimamente), a Cantina do Ednaldo e claro o saudoso Muganga (sem dúvidas o melhor de todos). Muganga, bar mequetrefe de muro e paredes de cipó e taipa detinha a mais alta tecnologia em entretenimento. Bem localizado, ficava no caminho todo mundo, era amplo, ventilado, abria cedo, fechava tarde, tinha petiscos gostosos, baratos, cerveja gelada, cachaças de primeira, garçons eficientes, garçonetes bonitas e legais, música de qualidade,  frequentadores de todas as classes sociais e uma sinuca tão fudida e torta que apelidamos o jogo de off road, tal era a quantidade de areia e elevações no pano.

Até hoje me pergunto como um lugar assim fecha.  Em um filme ruim a gente se juntaria, faria uma festa, arrecadaria bastante dinheiro e salvaria o dia. Na real isso não funciona e ainda hoje continuamos órfãos,  procurando por um lugar pra ir de bermuda e chinelas sem que ninguém  olhe  torto, um lugar onde somos conhecidos por quem somos e não pelo carro em que viemos, um lugar onde as  conversas rolam entre mesas, em pé e no balcão e não em susurros maldosos, um lugar onde se é recebido com sorrisos e não com olhares. Um lugar, um lar, um bar,  tudo pra chamar de meu.

Lá e cá.

Longe de ser um imparcial, o EntreRios é a forma que encontrei de expressar minha opinião, aqui com certeza você irá encontrar pontos de discordância ferrenhos aos seus.

Na ocasião da posse de Obama escrevi um texto sobre as expectativas que ele está causando em todos os lugares do mundo, uma visão pessoal e bem pessimista da coisa.  Nessa mesma ocasião meu quase irmão Patrício fez o oposto, o outro lado da moeda, com sua autorização, publico abaixo seu brilhante texto.

Poucas vezes vi imagens tão impressionantes como as da posse de Barack Obama. E, portanto, serei mais um a falar do tema. O primeiro presidente negro dos Estados Unidos, ungido pela maioria da população americana ao cargo de libertador de um moralmente falido. A mudança encarnada em um sorriso aterrador, vindo da pobreza diretamente ao cargo mais alto do planeta. O paladino da liberdade que chega à Casa Branca após oito anos de famigerado bushismo. Pronto, acho que já usei todos os clichês sobre o assunto no primeiro parágrafo.
Dentre todos que falaram, falaram, falaram (e como falaram) de Barack Obama esses dias, não fico nem com o otimismo de Lula (que elegeu Obama como salvador do planeta em diversas declarações), nem com o sensacionalismo de Carlos Heitor Cony (que comentou em sua coluna na CBN, em tom de previsão catastrófica, que “Getúlio Vargas também tropeçou na hora da posse… e terminou se matando”). A opinião mais sóbria a respeito do início da Era Obama veio de Cristovam Buarque, senador do Brasil, em excelente e memorável artigo publicado no jornal espanhol El País.
Para Buarque, Obama tem que ir além do título de “primeiro presidente negro dos Estados Unidos”. Ele tem que ser “o primeiro presidente americano do século XXI”. Isso significa que Obama deve deixar pra trás todas as atitudes anacrônicas que os presidentes estadunidenses vêm tomando nas últimas décadas e assumir a dianteira de uma revolução de pensamento político. Ou seja, o negão tem desafios bem maiores que uma crise econômica global. A parte boa é que ele está com a faca e o queijo na mão.
Vamos voltar no tempo, naquela época em que todos odiavam os Estados Unidos. Era ano passado? Não importa. Naquele tempo, o país era o sinônimo de tudo de ruim que acontecia no mundo. Pobreza dos países subdesenvolvidos? Culpa dos embargos econômicos. Aquecimento global? Culpa do consumo desenfreado. Guerras sem propósito? Indústria bélica estadunidense, claro. Enfim, os EUA se tornaram os bodes expiatórios de um mundo complicado demais. Mas o pior é que tinham razão.
Pois bem, a posse de Obama (mais: a derrota de McCain e, conseqüentemente, do bloco liderado por Bush) representam uma ferida a menos no mundo. Seria duro ver a perpetuação do bushismo num momento em que todos estão cansados de atrocidades e querem só um pouquinho de esperança. Obama, então, deu esse sopro de alívio ao planeta. A década, que começou bem mal com os ataques ao World Trade Center, parece que se encaminha pra terminar com boas notícias. O problema é que Bush fez tanta merda que fica difícil voltar a ter fé na América. Vem trabalho duro pela frente, Obama.
Para mim, o negão só entrará pra História de verdade se fizer mais que ganhar uma eleição contra um candidato sem carisma. Obama não deve, como bem disse Buarque em seu artigo, “ser apenas negro, mas também verde, vermelho e branco”. Verde pela determinação em construir um planeta sustentável, vermelho pela visão humanitária associada à esquerda e branco pela difusão irrestrita da paz.
Muito bem, Obaminha, meu brother, comece a se tornar o divisor de águas desse século tão conturbado assinando o Protocolo de Kioto. Esse documento, ignorado há anos e anos pelos Estados Unidos, estabelece limites para um desenvolvimento sustentável das nações. Esses limites passam, obrigatoriamente, pela redução da emissão de gases tóxicos na atmosfera. Mas isso representaria uma grande adaptação das indústrias a uma nova realidade global. Até hoje, nenhum presidente dos Estados Unidos teve coragem de enfrentar os megaempresários e fazer valer a máxima de que o planeta, enfim, é mais importante. É sua chance, Obama, vai que tu é bom.
Depois de consagrar-se com esse ato inédito, tire de letra outro desafio. Acabe com os embargos econômicos que vitimam países pobres como Cuba. Não é possível que em pleno século XXI, Obama, um país haja com tanta arrogância, se sentindo no direito de penalizar outras nações que não concordam com suas ideologias. Claro, os embargos não ocorrem apenas por opiniões divergentes. Mas, no fim das contas, acabam virando isso: uma briga pra ver quem tem o pau maior. Coloque sua hombridade pra fora, Obama. Sele a paz com o Terceiro Mundo de uma vez, acabando não só com os embargos mas também com intervenções sinistras na soberania alheia (as bélicas, as políticas, as escusas, todas). Enfim, deixe o resto do mundo em paz.
E por falar em paz, vem o maior dos desafios. Acabe com as guerras. Principalmente com essa tal Guerra Contra o Terror iniciada por Bush, que não passou de um artifício baixo do ex-presidente para se fazer necessário. Erga uma nação que fomenta a educação, que gera um ideal realmente diferenciado para esse milênio, inicie essa nova era não apenas com festas: mas com ações verdadeiramente inovadoras. Os EUA de Obama têm a obrigação de se tornar a nação mais pacificadora do planeta. Já está na hora. Mas não é só isso: passe a respeitar as convenções internacionais, porque isso vai significar respeito pelo mundo inteiro, por cada cidadão do planeta. Submeter-se às regras dos tribunais internacionais, acatar as resoluções da ONU e firmar pactos bilaterais com as nações não dói. Todo mundo faz isso. Tá na hora dos EUA fazerem também.
Depois disso, aí sim, Obama estará para sempre nos livros de História. E melhor: estará na história de todos, de cada um de nós, que teremos um mundo mais justo, preparado para o futuro e livre de arbitrariedades sem sentido. Mas até lá, nada mudou. Muito embora o tempo seja de esperança, os americanos continuam tendo responsabilidades enormes sobre os problemas globais. E para que Obama entre definitivamente pra História, é preciso apenas uma coisa: parar de olhar pro próprio umbigo.

dsc05184b-copy1-425x3181

Patrício Jr. nasceu em Natal, em 1979. Começou a escrever poemas aos 13 anos e depois, influenciado principalmente por Clarice Lispector, Caio Fernando Abreu e Hilda Hilst, partiu para uma prosa que funde elementos da poesia à narrativa. É um dos fundadores do grupo de novos escritores Jovens Escribas, que já publicou seis livros no RN. Dentre eles, seu romance de estréia “Lítio”. Atualmente, é redator publicitário e prepara “A Cega Natureza do Amor”, uma coletânea de contos sobre o assunto preferido da literatura.

Ah! Patrício escreve no Plog, na sua coluna da Digi e onde mais tiver espaço em branco.

Spam a serviço do bem _Nós Fazemos

Finalmente um spam que tenho orgulho de repassar. dica de márcio do queridobunker.

Essa campanha tem o objetivo de arrecadar doações para uma instituição filantrópica do RN, que é uma das mais sérias do país e referência nacional no tratamento do câncer. Acesse a página de doações e ajude. A mecânica é bastante simples, não precisa de cartão de crédito, e até com 10 reais já é possível contribuir.

Papo Calcinha

papo-calcinha1

A partir desta semana o Entre Rios passa a ter duas colunas fixas: uma para os marmanjos – publicada todas as quintas por Modrack Freire, e outra para as mocinhas (risos). Trata-se da coluna Papo Calcinha que será publicada todas as sextas por Ingrid Nirve.  A idéia partiu do autor da coluna “cueca”, que reconhece: entre os leitores deste blog há cuecas e calcinhas, por isso nada mais justo que criar uma coluna para cada.

Atenção marmanjos: pulem para o próximo texto!

Papo de hoje: Happy Hour entre amigas.

Não importa o motivo ou lugar da reunião, quando nós, mulheres, nos reunimos o resultado é sempre o mesmo: conversa para lá, conversa para cá, muitas gargalhadas, alguns cochichos (porque as paredes sempre têm ouvidos) e, às vezes, algumas lágrimas.

Sempre há novidades fresquinhas e uma fofoca imperdível para por em dia e tudo isso fica ainda mais animado quando acompanhado de uma boa cerveja ou refrigerante light (senão engorda) e alguns petiscos (que engordam, mas a gente nunca lembra… Ou, reclama, mas acaba comendo). Há quem prefira os petiscos doces, como por exemplo, as chocolatras, grupo do qual faço parte com todo orgulho. Já outras preferem os petiscos salgados, como as pizzas e os sandubas. Mas, o importante mesmo é comer, beber e soltar o verbo.

Afinal de contas, quem melhor que as nossas amigas para compartilhar seja lá o que for? Só elas têm paciência de Jó para escutar a mesma história mil vezes (leia-se novela mexicana da vida real), dão risada das piadas sem graças e também dos assuntos mais sérios (alegando que estamos fazendo uma “tempestade em um copo d’água”), dão as melhores dicas de beleza e, claro, ninguém melhor que elas para detonar o nosso alvo de fúria do momento (que pode ser uma put* qualquer que deu em cima do seu namorado ou aquele vizinho chato, que solta as piores cantadas sempre que encontra com você).

Enfim, reunir as amigas é sempre uma boa pedida. E para deixar o Happy Hour ainda mais animado aí vão algumas dicas:

Em casa

Se o local eleito para a reunião das “mentes perigosas” foi a sua casa, nada melhor que preparar o território e fazer pequenos agrados as suas amigas. Decore o espaço destinado à reunião (se quiser, chame uma das convidadas para lhe ajudar). Escolha os petiscos e as bebidas que vão animar a festa e crie pequenas lembranças para as participantes (pode ser um sachê perfumado ou quem sabe um delicioso bombom). Não esqueça de selecionar músicas legais e, se der tempo, selecione filmes para que vocês assistam juntas (de preferência, aqueles filminhos água com açúcar, como costumam dizer os marmanjos).

No barzinho

A dica aqui é escolher um lugar bacana (ou seja: espaço simpático, atendimento rápido e comidinhas gostosas – se o garçom for gato, melhor). Em Natal há vários barzinhos e restaurantes que podem se transformar no lugar perfeito para um Happy Hour, como por exemplo: o Balacubaco (que tem um delicioso rodízio de petiscos), Sgt. Pepper (boa música e cerveja gelada – destaque para o Pepper de Petrópolis), Dulce France (para um Happy Hour pra lá de charmoso), Pitanga Bar (para uma reunião descontraída) e Seis em Ponto (para não perder a hora de papear).

Papo quente

  • Trabalho;
  • Sexo;
  • “Receitinhas picantes”;
  • Ex-namorados;
  • Beleza;
  • O “alvo” de fúria da vez;
  • E o que mais der na telhas.

Dica esperta

Os marmanjos resolveram marcar futebol, achando que são jogadores profissionais (embora não passem de verdadeiros pernas-de-pau)? Ótimo. Aproveite para reunir as amigas. E, independente do futebol, arranje motivos para reuni-las.

As dicas estão aí, agora é com vocês. Bom Happy Hour!

Ingrid Nirve

Filmes pra macho.

coisas-de-macho1

Durante muito tempo ficamos relegados ao esquecimento, existiam filmes para adolescentes, para mulheres, crianças, namorados, intelectuais, homossexuais e até para acéfalos. A nós restava os faroestes e os filmes de terror. Acontece que somos um público exigente, um filme para nos agradar tem que ter uma complexa trama de fatores, na maioria das vezes tínhamos que alugar vários filmes para nos saciar.
Em algum momento,  alguém deve ter pensado: – Bom, eu sou macho. Isso é fato. Então o que eu quero ver em um filme?
Se você é dos nossos respondeu sem hesitar. Tiros (se for em zumbi é na cabeça, mire na cabeça…), perseguições (a pé e a cavalo valem, mas de carro a milhares de quilômetros por hora é bem melhor), explosões em profusão, sangue, peitos, sexo (com mulheres ou entre) e mulheres. Junte a tudo isso um antagonista sem escrúpulos, um  protagonista sacana e se der um boa história.

Na prática filme bom é assim ó:

e o mais esperado do ano:

Viu é fácil nos entreter numa sessão de cinema.

Obama não, Osama.

imperio

Desculpem-me os esperançosos,  mas não acredito no “We Can”. Como publicitário, enxergo a chegada de Obama a Casa Branca como o grande lançamento de um produto, depois de passada a novidade tudo volta a mesma. Pense, raciocine! O que há de bom em um povo que elegeu (duas vezes, quatro se contar o pai) um asno como Bush? O que há de bom em um país que passaram mais de 60 anos massacrando civis por todo mundo? Nada! nada mudará em nossas vidas, nada afetará a postura bélico-imperialista dos EUA . E se realmente o Sr. Mudança conseguir recuperar a economia dos gringos, pior para nós, é mais dinheiro para comprar armas e nos oprimir.
Até hoje não engulo a forma como a imprensa tratou o pseudo-atentado de 11 de setembro, fala-se dele como algo gratuito, um ataque terrorista, morreram nele uns 2 mil e pouco civis, em sua posterior guerra ao terror, o número de vítimas (civis) já ultrapassam os cem mil. Onde está escrito que um americano vale 50 árabes? Pearl Harbor? Em um ataque a um alvo militar o Japão matou 2403 militares estado-unidenses e 68 civis. No troco americano, depois de bombardear incessantemente 67 cidades japonesas (alvos civis), soltaram as bombas em Hiroshima e Nagasaki, somando mais de 300 mil mortos, 40 mil crianças, isso sem contar as mortes após, por radiação. Saia as ruas comemore leia o discurso do Messias de ebano, incessantemente, mas lembre-se do Japão, da África, do Oriente Médio, lembre-se que quem fornece poder bélico a Israel para matar palestinos armados em sua maioria de pedras são ELES, lembre-se que ele cagaram pro protocolo de Kyoto, que eles cagam pra ONU, ano após ano e que eles matam não por ideologia, não por religião, matam mesmo por dinheiro, para preservar o American Way.
Novamente me desculpem, espero, espero mesmo, estar errado. Nada mudará, Obama, se bem intencionado deverá morrer por algumas das milhões de armas em mão de suas milícias, simplesmente por ser negro, ou por tentar fazer a diferença. Senão fará umas mudanças aqui e acolá algo para transformar o império do mal em algo deglutível, simpático e passável.  Os Estados Unidos são isso, algo tão ruim e asqueroso que mesmo depois de ser varrido da face da terra por um cataclisma qualquer, deveria ter o solo esterilizado com óleo de máquina e sal grosso, para nada mais nascer ali. Pra mim a solução não é Obama, é Osama. BUMMMMMMMMMMMMMM.

Para encerrar uma visão de um futuro melhor para o mundo.

A vez do Batman

Depois da morte do Coringa na vida real é a vez do Batman nos quadrinhos.

Na sexta edição da minissérie Final Crisis, que saiu ontem nos Estados Unidos, Batman, que era mantido prisioneiro por Darkseid, se liberta e enfrenta o agora Regente da Terra. Batman atira uma bala radioativa ao mesmo tempo em que Darkseid libera sua Sanção Ômega. Como resultado, os dois morrem.

batman_fc6_004

Obvio que deve tratar-se de mais uma jogada de marketing, tal qual a morte do Super, ou a própria paraplegia do morcegão, tudo temporário. Heróis vão e voltam, não sei porque reclamam tanto, é fácil acreditar que o cara pode sair no tapa com tanque de guerra, mas é dificil acreditar que ele volte da morte? Tudo é fantasia mesmo, só espero que a história do retorno seja bem escrita e desenhada de resto, só resta esperar a morte (aconteceu ontem nos EUA, ainda não publicada no Brasil) e seu subsequente retorno.

Vi essa notícia no Jovem Nerd. Para ver a noticia completa clique aqui.

Coisas de macho.

coisas-de-macho2

Há algum tempo atrás folheando uma revista Playboy (lendo a entrevista é claro) lembro de ter visto uma matéria que me chamou atenção, algo do tipo: coisas que só homens de verdade gostam e entendem. Tomando-a como inspiração a partir de hoje todas as quintas o EntreRios terá como coluna fixa o “Coisas de Macho”, nela aparecerão unanimidades dicas e curiosidades para nós: homens machos do sexo masculino heterossexuais sem viadagens (hoje minoria oprimida). Então se você não tem todos os requisitos supracitados, é mulher, ou se ofende com qualquer besteira de cunho machista é bom que pare por aqui.

TV PRA MACHO:

Atualmente temos uma variedade bem ampla de programas voltados para nós, desde segmentos inteiros até canais exclusivos. Infelizmente, quase todos estão em canais fechados, mas todos são dignos de nota, e realmente cumprem o que se propoem; ver alguma utilidade na tv além do futebol.

Machos de Respeito:

Segmento do canal Sony veiculado uma vez por semana. Destacam-se as séries de humor protagonizadas por homens com temáticas, claro, machistas. Mesmo assim o melhor não são os enlatados americanos, o destaque fica por conta das vinhetas brazucas, monólogos protagonizadas competentemente por danilo guanabara, se não me engano, trazem reflexões que lembram nosso dia-a-dia,  textos bem escritos e cenários simples e bonitos. Prós: séries engraçadinhas, bom passatempo. Contras: 1. Não tem sacanagem. 2. A mania do cara das vinhetas de tirar a camisa o tempo todo. NOTA 4

MaxPrime:

Canal de filmes que a partir de certa hora da noite passa programas com tématica adulta e filmões pornôs. Prós: 1. Filmes de porrada, suspense, guerra, westerns e claro, pornos…  2.Tem bons comerciais. Contras: A programação não é muito variada, eu consigo passar o dia assistindo só filmes, mas tem quem não aguente. NOTA 6.

FX:

Canal do grupo FOX, o melhor de todos pra mim, é perfeito, pode ligar qualquer hora do dia que tá passando algo legal, desde filmes, séries a reality shows. Entre os meus preferidos estavam a luta livre de mulheres nuas, apresentado por Carmen Electra, e o Reality Show, Who wanna be a Porn Star (não sei se é assim que se escreve). A premissa desse reality era simples, o cara entrava numa casa e cheia de mega gostosas atrizes pornos, tinha que fazer um monte de provas e BANG! No final era agraciado com um contrato milinário com uma distribuidora de filmes adultos. Prós: 1. Variedade absurda. Séries que você assistia quando criança, tipo aquela do Batman gordinho, até programas safadinhos e um pouco de pornografia. 2. Destaque para o primeiro episódio de Who wanna be a Porn Star, os caras só tinham que entrar num barco, olhar duas gatas se pegando e se masturbar (até ejacular). Parece fácil, mas o barco era pequeno, quente, balançava, tinha um monte de gente olhando, e estava sendo filmado. Só um conseguiu. Contras: Só consigo pensar em um. O canal é fechado. NOTA 10


Em cartaz.

thoughts_by_marimochida3

Nada melhor do que manter livre arbítrio para a imaginação, em minha não tão distante infância, uma lata de leite ninho mais barbante mais areia virava carrinho. Duas mais barbante menos areia? viravam um telefone bem funcional. Brinquedos serviam mais que adornos para estantes dos quartos e eram usados até estar tão quebrados que não se identificava mais o que diabos era aquilo. Videogames não eram diferentes bem longe de algo meramente 3-d, suas embalagens nos davam o pontapé inicial para um mundo que existia muito mais bonito e colorido na nossa cabeça.

space-invaders-1

Space Invaders. Clássico do Atari, só perde para o esfomeado Pac-Man.

xman-2

X-man, o primeiro video game adulto da história. Absolutamente nenhuma ligação com o grupo de heróis mutantes.

Filho de uma geração em que os principais efeitos especiais estavam na mente, sempre achei que livros são melhores que suas adaptações cinematográficas, que quadrinhos conseguem ter mais ação que a maioria dos blockbusters e que o melhor diretor é mesmo a tal da imaginação. Hoje vejo isso com saudosismo, olho para esses cartazes e lembro que  na maioria das vezes eles eram dezenas de vezes melhor que os filmes em si, são obras primas de uma era perdida. Espero um dia ter um ambiente bem legal em minha casa, telão, som de cinema e vários desses posters espalhados pela parede.

tales_of_terror

O mais assustadoramente lindo. O filme eu não sei, mas o livro é um clássico do terror de Edgar Alan Poe, bom mesmo.

death_race_2000

Filme bem bacaninha, soa como uma versão malvada da Corrida Maluca.

galaxina

Um filme que a estrela é playmate de playboy, melhor ficar só no cartaz.

escape_from_new_york

Os anos 90 já foram um futuro assustador.

Presentinho: Pacotão com 100 capas de filmes. A qualidade das imagens é razoável, com alguma imaginação da pra fazer muita coisa legal.

download1 clique aqui