Arte na rede.

O deviant art é um das mais poderosas ferramentas para publicitários, designers e afins que a internet oferece, como diz seu proprio slogan: onde a arte encontra aplicação. Lá da pra comprar ou alugar fotos, ilustrações, pinturas, por exemplo. Também existe seções inteiras de downloads com brushs, actions e muito mais (free).

Bom mesmo é perder horas olhando o trabalho de alguns dos melhores artistas conhecidos, ou não, do mundo.

X_Men_Together_by_Artgerm

wolverine_vs_hulk_by_nebezial

The_thing_and_Mrs__Storm_by_BoOoM

Robin_VS_Card_by_Jonboy007007

7e718fe10a60d34d5c1307b6f6f4b473

4a4a763aeedbf03205fe950b52bf15d9aa3321a9061fb35080fd4d14fc657ce6

Tem de tudo, artesanato, pintores, arquitetos, (claro que coloquei quadrinhos, eu adoro quadrinhos). Pegue uma tarde, um dia todo procure o que gosta, compre, roube, imprima, guarde… O termo passatempo dificilmente é tão bem aplicado.

www.deviantart.com

Super

Lembro bem quando minha paixão por quadrinhos de super-hérois começou, era um sábado, sei disso porque meu pai tinha uma imobiliária, e sempre que ia trabalhar aos sábados me levava junto. Como toda criança, eu era inquieto, hiperativo e devia encher muito o saco dele.

21467_849

Será que foi essa?

Após alguns sábados, que devem ter sido enfernais, ele finalmente descobriu o caminho das pedras: parou numa banca de revistas, e mandou eu escolher o que quisesse, como já tinha lido tudo da Disney naquele mês (Pato Donald, Zé Carioca, Tio Patinhas…). Comprei uma revista da extinta editora Ebal, a Superamigos, óbvio que não lembro a capa, mais depois disso todo sábado a gente seguia o mesmo ritual. Parava na banca (ela ainda existe), comprava a revistinha, um monte de bagana, iámos pro escritório, eu deitava no sofá da recepção e lia até a hora de irmos embora, meu pai finalmente podia trabalhar em paz.

Devo a ele além de tudo que um pai pode fazer (e muitas vezes ele fez mais do que o possível), esse delicioso passatempo, que não só despertou meu gosto pela leitura como desenvolveu, minha aptidão para artes. Valeu Pai, você é mais que Super.

A vez do Batman

Depois da morte do Coringa na vida real é a vez do Batman nos quadrinhos.

Na sexta edição da minissérie Final Crisis, que saiu ontem nos Estados Unidos, Batman, que era mantido prisioneiro por Darkseid, se liberta e enfrenta o agora Regente da Terra. Batman atira uma bala radioativa ao mesmo tempo em que Darkseid libera sua Sanção Ômega. Como resultado, os dois morrem.

batman_fc6_004

Obvio que deve tratar-se de mais uma jogada de marketing, tal qual a morte do Super, ou a própria paraplegia do morcegão, tudo temporário. Heróis vão e voltam, não sei porque reclamam tanto, é fácil acreditar que o cara pode sair no tapa com tanque de guerra, mas é dificil acreditar que ele volte da morte? Tudo é fantasia mesmo, só espero que a história do retorno seja bem escrita e desenhada de resto, só resta esperar a morte (aconteceu ontem nos EUA, ainda não publicada no Brasil) e seu subsequente retorno.

Vi essa notícia no Jovem Nerd. Para ver a noticia completa clique aqui.